Colunistas ver todos
Título da matéria

Para quem consegue se auto-criticar...

27/01/2012, às 19:52:40 - por Moacir Andrei Linhares dos Santos - Fonte:

O Andaime

O tempo que eu hei sonhado

Quantos anos foi de vida!

Ah, quanto do meu passado

Foi só a vida mentida

De um futuro imaginado!

Aqui à beira do rio

Sossego sem ter razão.

Este seu correr vazio

Figura, anônimo e frio,

A vida vivida em vão.

A ’sp’rança que pouco alcança!

Que desejo vale o ensejo?

E uma bola de criança

Sobre mais que minha ’s’prança,

Rola mais que o meu desejo.

Ondas do rio, tão leves

Que não sois ondas sequer,

Horas, dias, anos, breves

Passam - verduras ou neves

Que o mesmo sol faz morrer.

Gastei tudo que não tinha.

Sou mais velho do que sou.

A ilusão, que me mantinha,

Só no palco era rainha:

Despiu-se, e o reino acabou.

Leve som das águas lentas,

Gulosas da margem ida,

Que lembranças sonolentas

De esperanças nevoentas!

Que sonhos o sonho e a vida!

Que fiz de mim? Encontrei-me

Quando estava já perdido.

Impaciente deixei-me

Como a um louco que teime

No que lhe foi desmentido.

Som morto das águas mansas

Que correm por ter que ser,

Leva não só lembranças -

Mortas, porque hão de morrer.

Sou já o morto futuro.

Só um sonho me liga a mim -

O sonho atrasado e obscuro

Do que eu devera ser - muro

Do meu deserto jardim.

Ondas passadas, levai-me

Para o alvido do mar!

Ao que não serei legai-me,

Que cerquei com um andaime

A casa por fabricar.

Fernando Pessoa - Cancioneiro

Comentários
Fernando Bitencourt Garopaba - SC - 28/01/2012 às 11:55:37
Falaí meu Amigo, saúde a Todos...
Os Fernando qdo não estão ferrando alguém, estão fermentando idéias vãs... Gostei e cumprimento-o pela iniciativa de fazer pensar essa vida mais sonhada e desejada do q vivenciada...

Abração
Publicidade:
Publicidade
Imagem Daqui Solução Gráfica & Divulgação
Rua Pref. João Orestes de Araújo, 550 - Sala 04
Centro - Garopaba - Santa Catarina
Fone: (48) 3254-6860 / 9937-3057
E-mail: contato@imagemdaqui.com.br
Desenvolvido por
Mateus Fornari